6/11/2006

"A importância de humanizar as marcas", Marc Gobé

Acredito que todas as campanhas e ações interativas que coloco aqui no blog são exemplos de uma mudança que estamos vivendo no mundo da comunicação. Muitos tentam elaborar explicações para esse momento, e uma dessas explicações - que me parece fazer um forte sentido - é a que defende a construção de um elo afetivo entre produtos e consumidores. Marc Gobé, o cidadão da foto acima, presidente da Desgrippes Gobé Worldwide, defende essa tese nos seus livros. O mais recente "A Emoção das Marcas" faz fortes afirmações no que diz respeito a dar poder aos consumidores e como essa atribuição de poder acaba por fim aumentando o poder das marcas que proporcionam essa experiência a seus consumidores. Em uma recente passagem pelo Brasil, Gobé deu um entrevista ao jornal Meio & Mensagem na qual fala de pontos fundamentais que ajuda a entender o momento pelo qual passamos. Destaco aqui os pontos mais relevantes no cenário da propaganda interativa: "O que é importante é que cada vez mais as pessoas têm relações pessoais com as marcas, e também cada vez mais essas relações são emocionais. (...) Esse novo compromisso envolve o processo de humanizar as marcas com uma linguagem visual inspiradora e intuitiva que se conecte sensorialmente por meio do conceito de design e faça as pessoas comprá-las." "As pessoas não estão comprando por razões racionais: por meio de suas compras, elas fazem declarações sobre aquilo que lhes é importante." "As novas mídias mudam a relação dos consumidores com as marcas. Os comerciais de TV não davam à pessoas a oportunidade de responder. Na internet, por exemplo, os indivíduos não têm a mesma exposição obrigatória que têm diante da propaganda de TV. A propaganda no mundo da tecnologia não é mais incontornável. Por isso é imprescindível a convergência das mídias. (...) Não dá mais pra fazer algo isoladamente." "Precisamos criar elementos que motivem a mudança de uma mídia a outra, incluindo até mesmo a geração de conteúdo espontâneo para distribuição na mídia como programação mais eficaz." "Há necessidade de fazer as pessoas acreditarem naquilo que as empresas dizem, mas é preciso que tudo seja real. São vários os novos processos comunicacionais na relação com o consumidor: valorização das experiências ante os produtos; confiança ante a honestidade; preferência ante a qualidade; aspiração ante a notoriedade. As questões são personalizadas e o funcional cede lugar ao emocional e sensorial." Quem quiser se aprofundar mais nas idéias de Gobé, pode começar por aqui.

4 Comentários:

Anonymous Liz disse...

O livro Lovemarks de Kevin Roberts diz tudo!

12/6/06 22:42  
Anonymous Nandico disse...

Opa, comprei o raciocínio =)! Idéias show de bola! Principalmente na sequencia do "x" ante "y". Abraços...

13/6/06 13:54  
Blogger Caio disse...

Antes de me formar, já pensava nessas idéias. Acho que é a tendência da propaganda mesmo

13/6/06 21:20  
Blogger Nelito disse...

Raphael, acho que ainda não tive a oportunide de te dizer que fui aprovado no mestrado da UnB, na linha de pesquisa de novas tecnologias. A conversa com vc, no dead line do projeto de pesquisa, foi importante para arredondar algumas ideias. Essa nota sobre o Marc Gobé é provocativa. Assim com a nota sobre a estratégia da Nike para copa. Aliás, a propagando boca-a-boca era o foco do meu projeto inicial. Mas como estava tendo dificuldade de abordar teoricamente o assunto, estou mudando para a formação de comunidades virtuais em torno de marcas. Espero contar com vc em uma entrevista para breve. Abs.

15/6/06 00:46  

Postar um comentário

<< Home